top of page

Reduzir o Desperdício na Cozinha

Adoraria que alguém me tivesse dito isto mais cedo, ou que o tivesse aprendido na escola, naquelas disciplinas em que somos preparados para a vida: se há uma zona da casa onde podemos (e devemos) mitigar o nosso impacto ambiental, é na cozinha! A nossa alimentação é o que mais contribui para a sobre-exploração dos ecossistemas. Todos os anos, os portugueses deitam ao lixo 1 milhão de toneladas de alimentos. No mundo inteiro, um terço dos alimentos produzidos são desperdiçados, o que, de acordo com a ONU, representa 1.3 mil milhões de toneladas. A isto acresce ainda o consumo de água e a emissão de gases de efeito de estufa resultantes da produção, transporte, consumo e descarte dos alimentos.



E perguntas tu, e muito bem, o que está nas nossas mãos? Se estás a pensar que não podes mudar o mundo sozinho(a), lembra-te que é com pequenos gestos que o mundo muda um pouco todos os dias. Mudando os nossos hábitos na cozinha, mudaríamos grande parte do nosso impacto ambiental (e até pouparíamos dinheiro). Portanto, deixo-te um conjunto de medidas que podes tomar (e para a grande maioria não precisas comprar absolutamente nada). A ideia é pensar em poucas medidas de cada vez, mas que consigas manter a longo prazo. Aí está a verdadeira sustentabilidade.


1. Reduzir o Desperdício Alimentar

- Planificar as refeições da semana - É algo que eu própria ainda estou a tentar implementar, mas dá-nos uma noção mais precisa da quantidade efetiva de alimentos que precisamos.

- Privilegiar alimentos da estação, de preferência locais - Quando compramos alimentos fora da estação, estes têm de ser importados e/ou congelados e fazem um longo percurso, logo têm uma pegada de carbono maior.

- Acondicionar corretamente os vegetais para lhes prolongarmos a vida.

- Comer sobras de refeições ou reaproveitar essas sobras para novas refeições.

- Cozinhar alimentos com a casca - quando é seguro fazê-lo - e depois de bem lavados (há escovas que ajudam nesta tarefa). Por exemplo, as cascas da batata doce e abóbora têm elevado teor de fibra e valor nutritivo. Se, eventualmente, descascares as batatas e cenouras, aproveita as cascas para fazer chips crocantes no forno.

- Usar as frutas mais maduras para fazer geleias, compotas e batidos.

- Congelar legumes já cortados, quando temos demasiados legumes para consumir.

- Aproveitar ramas, talos e legumes murchos para caldos, sopas, pesto, purés ou hamburgers vegetais.

- Congelar pão fatiado, para que o possas descongelar à medida que precisas. Caso acabes com pão recesso em casa, podes aproveitar para fazer pão ralado, migas, crosta, açorda, torradas e etc.

- Germinar talos, ramas, folhas, caroços, leguminosas e sementes na tua horta caseira ou simplesmente em água (ainda ando em experiências e tenho muito para aprender sobre isto).

- Usar borras de café, casca de ovo triturada e chá de casca de banana para fertilizar plantas.


A lista podia ser ainda mais extensa, mas já percebeste a ideia, o importante é ser criativo e não cair na tentação de deitar os alimentos ao lixo só porque não podem ser 'diretamente' consumidos.


2. Organizar a Cozinha

- Organizar a dispensa, frigorífico e congelador por tipo de produtos, para que tenhas a real noção do que ainda tens para consumir.

- Colocar os produtos com um prazo de validade mais apertado na frente, para evitar que passem a data de validade antes de serem consumidos.


3. Evitar os Produtos Descartáveis

- Recusar sacos de plástico quando vamos às compras.

- Não utilizar sacos plásticos de utilização única, película aderente e de alumínio. Podes substituir por stasher bags (precisas comprar), beeswrap (que podes fazer em casa), food huggers (precisas comprar) ou simplesmente recipientes com tampa (todos temos em casa e há que dar utilidade aos 99999 'tupperwares' que temos no armário).

- Evitar o uso de papel vegetal ou substituí-lo por tapetes de silicone para o forno ou formas de silicone.

- Usar guardanapos de pano.

- Beber chá em folhas (as saquetas de chá contêm microplásticos, que acabas também por ingerir).

- Beber café sem cápsulas (se estás precisar comprar uma nova máquina de café, considera comprar uma máquina que não utilize cápsulas).

- Comprar a granel, preferencialmente.

- Comprar frutas e legumes a produtores locais (além de estares a consumir produtos das proximidades, muitos produtores entregam cabazes em cestas ou caixas reutilizáveis).


4. Reduzir o Consumo de Água

- Reaproveitar a água de cozer legumes e leguminosas para cozinhar novamente. No máximo, só estarás a utilizar água com mais nutrientes (Confesso que ao início isto me pareceu estranho, mas agora até me dá algum gozo ter a preocupação de guardar a água para sopas e etc). Há também quem utilize a água de cozer as leguminosas como substituto das claras batidas em castelo ou para regar as plantas (depois de arrefecida). A criatividade aqui não tem limites!

- Lavar a loiça na máquina (no modo eco), idealmente - Uma máquina de lavar loiça consome, em média, 10 a 12 L de água por ciclo de lavagem. Quando lavamos à mão, gastamos, em média, cerca de 10 L de água por minuto! Portanto, quando te deparares com o dilema entre lavar tachos e panelas à mão ou colocar na máquina, lembra-te disto.


5. Reduzir o Consumo de Energia

- Utilizar a máquina de lavar a loiça no modo Eco.

- Ter em atenção a classificação energética, quando compras novos eletrodomésticos.

- Ligar apenas o forno quando fores fazer vários pratos (quando possível).


6. Repensar a Alimentação

- Fazer uma dieta de BASE vegetal. Isto não quer dizer que que tens, necessariamente, de adotar uma dieta vegetariana ou vegan, mas muito respeito para quem o faz!


7. Reciclar

- Reciclar todas as embalagem e materiais que possam ser reciclados.


8. Compostar

- Compostar os resíduos orgânicos em casa ou entregar em locais que façam compostagem (Na plataforma/App Share Waste, podes consultar as entidades que aceitam resíduos para compostar. Quem sabe se não existe alguma disponível bem perto de ti). Algumas Câmaras Municipais também oferecem compostores para fazerem em casa. Por aqui, ainda não fazemos compostagem, (não temos entidades que façam compostagem por perto) mas está na lista de compras uma horta inteligente com compostor incluído 🙂


______________________


Se estás a pensar que a lista acima inclui demasiadas mudanças, tens toda a razão! A ideia é começar pelas que te parecem mais simples e fazê-las repetidamente até se tornarem um hábito ("fake it until you make it!").

À medida que vais criando novos hábitos, podes ir introduzindo mais medidas, e ao fim de algum tempo verás os resultados: seja uma redução na fatura da água, uma redução na quantidade de alimentos que precisas comprar ou mesmo uma redução na quantidade de lixo que envias para aterro. Por exemplo, aqui já passamos de 3 sacos de lixo orgânico/semana, para 1 saco/semana (e com isto, já só penso no compostor para passar a enviar muito menos 🙂) Lembra-te, cada passinho conta!