Introdução ao Movimento Desperdício Zero

O movimento Desperdício Zero (Zero Waste) foi criado por Bea Johnson (zerowastehome) e assenta num conjunto de práticas (5 Rs) destinadas a evitar o desperdício no dia-à-dia. Atualmente, Bea jonhson afirma que o lixo produzido pela sua família, num ano, cabe num pequeno frasco de vidro.


Inspirada por Bea Johnson, Ana Milhazes (anagoslowly), criou em Portugal, o Movimento Lixo Zero Portugal, em 2016. Fazer parte do movimento Desperdício Zero é fazer parte de um grupo de pessoas que ganharam real consciência para o estado de crise ambiental e decidiram fazer alguma coisa para mudar. Contudo, o termo Desperdício Zero transmite uma mensagem de perfeccionismo, que pode assustar pessoas que estariam dispostas a dar o primeiro passo em direção a uma vida mais sustentável. Esta é uma das razões pela qual surgiram outros movimentos como Low Impact Movement. Mas o que interessa o nome, no final de contas? Todos têm o mesmo objetivo: promover a adoção de um estilo de vida mais sustentável, que nos permita viver em equilíbrio com a Natureza e com os recursos disponíveis no Planeta.


E o que são os 5 Rs? Vamos lá aprender!

  1. RECUSAR - É a ação mais simples de todas. Dizemos que sim, vezes sem conta, a coisas que não precisamos. Para quê embalagens de plástico para a fruta? Para quê levar para casa mais folhetos ou canetas só porque nos dão? O "não", sempre dito com gentileza, é, na verdade, libertador e pode abrir a via do diálogo e da explicação, que podem levar à mudança de comportamentos por parte dos nossos interlocutores.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

  2. REDUZIR - Praticar um consumo consciente e responsável. Rever os hábitos de consumo, detectando as verdadeiras necessidades e o que afinal não precisamos de adquirir. Quantas vezes fizemos uma compra e depois pensámos “afinal já tinha” ou “acabei por nem precisar”? Apostar em qualidade e durabilidade é também uma chave importante para reduzir o lixo e o desperdício. Tudo o que existe tem impacto no ambiente, desde o momento em que são utilizados recursos para o produzir.

  3. REUTILIZAR - Encontrar alternativas ao que é descartável. Transformar o impulso de comprar e descartar em, criativamente, repetir o uso ou dar nova vida ao que já adquirimos. Além de ser uma das melhores armas contra os descartáveis, este passo permite fazer poupanças inegáveis.⠀⠀⠀⠀⠀

  4. RECICLAR - Quando não nos é possível recusar, reduzir ou reutilizar, a reciclagem é o passo óbvio.

  5. COMPOSTAR (ROT) - Dar uma nova vida aos resíduos orgânicos, transformando-os em fertilizante para os solos e evitando o seu descarte em aterros sanitários (o descarte em aterro desencadeia um processo anaeróbio que gera gás metano, 25 vezes pior que o dióxido de carbono).




Gerar, ao longo de um ano, uma quantidade de lixo que cabe num frasco de vidro, não é possível para a maior parte de nós e isso não deve servir de motivo para não darmos o nosso melhor nesta luta. É do interesse de todos garantir que as gerações futuras tenham um planeta onde viver mas, acima de tudo, que tenham um planeta onde possam fazê-lo com qualidade, que possam ter a oportunidade que nós tivemos de ver os ecossistemas a funcionar no seu pleno, a gerar vida e a fazê-lo em harmonia com o desenvolvimento da sociedade.


É certo que esta adaptação deveria começar a ser feita pelas próprias indústrias, através de mudanças no fabrico e apresentação dos produtos aos consumidores mas, apesar das iniciativas que têm surgido nos últimos anos, ainda há um longo caminho a percorrer. Até lá, está nas nossas mãos optar, sempre que possível, pela opção que consideramos ser a mais sustentável.


Não existe (e não deve existir) um regulamento para seguir à risca. É preciso força de vontade e foco. Mas isto também não significa mudar o estilo de vida num piscar de olhos, comprando um kit zero waste ou todos os produtos mais sustentáveis com os quais nos deparamos nas lojas "Eco". Abraçar o desafio do Desperdício Zero é, em primeiro lugar, usar o que temos em casa e só depois comprar, quando não existir outra alternativa.


Ninguém muda a vida de um dia para o outro. Ninguém é perfeito e ninguém consegue viver uma vida sem impacto, mas a verdade é que há muito que podemos fazer, basta querer! Seja a poupar água no banho ou no autoclismo, a fazer reciclagem, ou a reduzir o desperdício alimentar. Todos podem dar o seu contributo. Cabe a cada um avaliar os hábitos que pode mudar e explorar alternativas. Todas as pequeninas mudanças que se possam fazer são bem-vindas - o Planeta agradece (e o futuro da Humanidade também!). Bora começar?